Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

31
Jan17

Lidos em 2017

Não Ficção

1. Furiously Happy - Jenny Lawson [audiobook]

2. Porto Cartoon World Festival 2014 B

3. Lab Girl - Hope Jahren  [audiobook]

4. Perdidamente, Correspondência amorosa 1920-1925 - Florbela Espanca (organização Maria Lúcia Dal Farra). B

5. O árabe do futuro 1 - Riad Sattouf [Novela gráfica]  B

6. Um mundo infestado de demónios - Carl Sagan [a ler] E

Pensar depressa e devagar - Daniel Kahneman  [a ler] B

Ficção

Casos em que me esqueci do desafio ;)

1. I Married a Billionaire - Melanie Marchande (ups! estava no tlm. e li sem me lembrar do desafio do ano; invoco em minha defesa que era a única coisa numa espera de horas). K

2. A rainha das aves - Helen Ward E

 

Portugal

1. Os passos em volta - Herberto Helder. B

2.O crime do Padre Amaro - Eça de Queiróz. E

3. Sermões - Padre António Vieira. E

4. Ana, uma investigação de Filipe Seems #1  - Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves [Novela gráfica] B

5. A História do Tesouro Perdido, uma investigação de Filipe Seems #2 - Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves [Novela gráfica] B

6. A Tribo Dos Sonhos Cruzados, uma investigação de Filipe Seems #3 - Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves [Novela gráfica] B 

7. As incríveis aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy - Filipe Melo e Juan Cavia [Novela gráfica] B 

8. As extraordinárias aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy II - Filipe Melo e Juan Cavia [Novela gráfica] B 

9. Os vampiros - Filipe Melo e Juan Cavia [Novela gráfica] B

10. As fantásticas aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy III - Filipe Melo e Juan Cavia [Novela gráfica] B 

11. Os contos inéditos de Dog Mendonça e Pizza Boy - Filipe Melo e Juan Cavia [Novela gráfica] B 

12. A madona - Natália Correia E

13. História da Beleza Fria - Teresa Veiga  E

O último Eça - Miguel Real [a ler] E

 

Angola

1. O homem que parecia um domingo - José Eduardo Agualusa E

2. Estação das chuvas - José Eduardo Agualusa E

 

Brasil

1. Ninguém mais se perderá por Luba - Luiz Lopes Coelho (conto)  E

2. Tungstênio - Marcello Quintanilha [Novela gráfica] B

3. Talco de vidro - Marcello Quintanilha [Novela gráfica] B

4. A sucessora - Carolina Nabuco  B

5. Gabriela, Cravo e Canela - Jorge Amado  E

6. Capitães da Areia - Jorge Amado  B 

7. Dona Flor e seus dois maridos E

 

Cabo Verde

Guiné-Bissau

Moçambique

São Tomé e Príncipe

Timor Leste

 

B - Biblioteca

K - Kindle app (telemóvel e computador)

E - Estante

31
Jan17

Os passos em Volta - Herberto Helder

1.jpg

Decidi ler o livro de contos de Herberto Helder, aquele referido como o amado por muitos, lido por poucos

Até agora, só conhecia um dos contos (Teorema, que podem ler aqui) que continua a ser o meu conto preferido. 

 

Os diversos contos retratam a viagem de um (?) homem (homens?) e por isso a geografia é importante. Quase todos percorrem cidades europeias com os mesmos denominadores comuns: emigrante empobrecido, por vezes faminto e sem abrigo, a solidão, o desamparo, o conforto das mulheres prostitutas, a morte. Mas é também um palco de sentimentos e humanidade profunda, ainda que sofrida.

 

Termino a leitura com a sensação de que é um autor acima das minhas competências intelectuais, que não fui capaz de vislumbrar a mensagem. Se adorei alguns dos contos, outros deixaram-me completamente perplexa, obrigando-me a uma releitura que não ajudou à compreensão. 

 

Mas se calhar era esse o objectivo. 

 

Meus Deus, faz com que eu seja sempre um poeta obscuro.

30
Jan17

Lista de leituras presidenciais

Matt Grant decidiu desafiar-se, lendo uma biografia sobre cada um dos presidentes dos EUA. Uma excelente ideia.

É caso para dizer: há leitores e depois há leitores ;)

Visto aqui.

 

Fiquei curiosa para ouvir o podcast Presidential.

 

Francamente, a história de Portugal é uma temática que gostaria de começar a introduzir nas minhas leituras. 

Estava aqui a pensar que não sei o nome do primeiro presidente da República... será Arriaga? Mas julgo saber que foi ele que comprou o primeiro carro da Presidência e que continuou a pagá-lo depois de ter abandonado o cargo e doado o carro (um documentário algures e foi o pormenor que ficou). 

Visita ao Google, menos mal. É Arriaga.

 

30
Jan17

A procurar um sentido para o mundo com os livros

O que se está a passar nos EUA é tão grave que deveríamos todos estar em estado de choque. A gravidade prende-se precisamente com o facto de ser os EUA, por ser um símbolo de liberdade e democracia. Se até aí... 

O que os últimos acontecimentos revelam é que é muito fácil destruir uma democracia e instaurar um regime totalitário. Não, não é um exagero.

As últimas horas revelaram que, bastou uma ordem executiva para que órgãos administrativos a cumprissem mesmo que contra ordens judiciais. Compreendem o quanto isto é grave?

Isto em apenas 8 dias de mandato.

 

Começa a ser cada vez mais provável que Trump seja cúmplice de Putin nos seus avanços pela Europa. 

 

Quando, há dias, Trump lançou um ataque sem precedentes contra a comunidade científica, eu peguei em O mundo Infestado de Demónios, de Carl Sagan. 

1.jpg 

Hoje, sinto que acordei para algo muito pior. O ramo judicial foi excluído do sítio web da Casa Branca. Talvez deva começar a ler Da ditadura à democracia, de Gene Sharp.

28
Jan17

Banir livros

Plano Nacional de Leitura inclui livro de Valter Hugo Mãe com linguagem sexual violenta (Jornal Económico)

image.jpg

Querem uma aposta como as vendas vão subir?

Se calhar estou a ser ingénua, mas julgava sinceramente que esta moda de banir livros fosse coisa de americanos malucos. Parece que não.

Não aconteceu com este, mas adivinho este tipo de movimentos (à distância de um click), quanto mais diversos forem os autores publicados para camadas mais jovens. Agora é tudo muito branquinho e hetero. Quando finalmente houver autores a abordar a sério temáticas como o racismo ou LGBT de forma menos mainstream, acredito que veremos os casos multiplicarem-se.

1.jpg

 

Não li o livro (ainda), mas não acredito que a notícia não tenha colocado o excerto mais chocante. É com base nessa que formulo a minha opinião.

A linguagem pode ser gráfica, mas não mais do que a que ouvem no dia-a-dia. Já leram um perfil de Facebook de jovens da mesma idade? A forma como falam entre si, especialmente em privado? 

Se deram aos vossos filhos acesso não supervisionado à internet, os textos da obra, por muito gráficos que sejam, não são novidade alguma.

Aliás, exijam neste momento o tlm dos vossos filhos, acedam à página de FB deles e às mensagens privadas e pasmem.  

A coordenadora do departamento disse: “Qualquer dia temos também de defender a escolha de uma obra do Nobel José Saramago!”.

Mas a verdade é que já tivemos de a defender e também por violação de normas dos bons costumes. 

Pág. 1/6