Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

29
Jun17

Nós - EVGUENI ZAMIATINE

Num fantástico artigo do Open Culture, descobri que em 1923, EVGUENI ZAMIATINE escreveu Nósuma distopia que iria influenciar George Orwell.  

 

Em Nós, encontramo-nos 1.000 anos depois de uma revolução que levou o Estado Único ao poder. Os seus cidadãos são apenas conhecidos por um número e quem ousar rebeliar-se contra o estado totalitário, é neutralizado com uma espécie de lobotomia.

 

(...) o protagonista da história é D-503, um engenheiro que trabalha em uma nave espacial que visa trazer os princípios gloriosos da Revolução para o espaço.

Este mundo é governado pelo benfeitor e presidido pelos Guardiões. Eles espionam os cidadãos, que todos vivem em apartamentos feitos de vidro para que possam ser perfeitamente observados.

A confiança no sistema é absoluta. A igualdade é aplicada, até o ponto de desfigurar o fisicamente belo.

A beleza - assim como seu companheiro, arte - é uma espécie de heresia no Estado Único, porque "ser um meio original para se distinguir dos outros. Segue que ser original é violar o princípio da igualdade".

 

Como não é difícil de compreender, Nós foi censurado pelo estado soviético e a sua publicação é feita em 1923, nos Estados Unidos da América, quando EVGUENI ZAMIATINE ainda estava na Rússia de Estaline. Foi este último que autorizou o escritor do país, depois de este ser "demonizado" pela imprensa e as suas publicações censuradas.

imagem

28
Jun17

Os editores têm feito o seu trabalho, os leitores não estão à altura.

Os editores têm feito o seu trabalho, os leitores não estão à altura.

Rita Ferro

A Páginas Tantas... o que marcou em termos editoriais estes últimos meses?

21 Jun, 2017 

 

Se não querem aumentar a vossa TBR. NÃO OUÇAM!

 

Achei que foi um dos mais interessantes episódios das últimas semanas, com reflexões sobre o porquê de uns livros vendem e outro não, a questão do marketing - fazer ou não fazer e como -, a empatia com o/a autor/a vende livros?

 

livros

25
Jun17

Comprar livros usados - Escrito na água

O mais vendido do momento, novo, custa €16.91 (mais coisa, menos coisa).

1

No OLX, usado pode ser comprado a partir de €10

2

3

E se ainda não leram a obra mais conhecida da autora, até compram o pack por €9/cada.

4

 

Com jeitinho, compram, lêem e depois vendem pelo mesmo preço.

 

Nota: eu não conheço nenhum dos vendedores que as imagem reflectem. A selecção foi aleatória, dentro da margem de preço que procurava.

25
Jun17

Pegada ambiental de um livro

 1

(...) embora não me sinta confortável a comprar roupas ou aparelhos electrónicos novos, não hesito em comprar o livro recomendado no momento. Indaguei os meus amigos e descobri que não sou a única que sempre que os livros estão, de algum modo, isentos das conotações negativas de se ter demasiadas coisas. Achamos que o valor do conhecimento e da criatividade personificado num livro justifica a sua pegada?

 

EPSON003

Acreditem, o capítulo sobre a pegada ambiental do papel, é muito mais assustador.

23
Jun17

Esta semana

Capturar

Esta semana, provavelmente como muitas/os de vós, pouco tempo de lazer não foi alocado para ver as notícias ou redes sociais, fosse para saber o que acontecia ou como ajudar.

 

Por isso, peguei numa leitura de conforto, um policial que me dá um final resolutivo e alguém a quem atribuir a culpa pelo sucedido. 

 

Tenho ouvido muitos podcasts, procurando episódios que me ajudem navegar este novo mundo de verdades alternativas, em que se destacaram:

Is he muslim? - Hidden Brain 

Sobre as diferentes coberturas pelos media, de diversos casos de terrorismo e como o nosso cérebro organiza a informação.

Truth and lies - Ted Radio Hour

Sobre a negação do Holocausto e outras negações de factos, sejam eles históricos, científicos ou outros.

Artificial sweeteners - not so sweet? - Science Vs.

Sobre o estado da ciência, entre mitos e divertidas experiências, no que respeita a adoçantes.

 

Tudo o que ouvi esta semana, potencialmente irá influenciar as minhas próximas leituras, já que tenho sentido uma crescente necessidade de ler não-ficção.

 

Hoje, na biblioteca municipal e apenas na mesa de destaques, os meus olhos fixaram-se em alguns:

WP_20170623_001WP_20170623_011

WP_20170623_003WP_20170623_012

WP_20170623_005WP_20170623_015

WP_20170623_008WP_20170623_009

WP_20170623_013WP_20170623_014

WP_20170623_002

Pág. 1/4