Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

24
Set17

Apelo de uma tia em desatino

A adolescente - eterna "não gosto de ler" - descobriu A rapariga no comboio, de Paula Hawkins e está a gostar. Descobriu, é como quem diz - influência de uma amiga leitora.

Já encontrei o "Escrito na Água", no OLX.

 

 

E a seguir?

Mando-a na direcção da saga Millenium? Gostaria que os livros tivessem boas personagens femininas, se possível.

 

Ela gosta de jogos de computador (daqueles que eu gostaria de proibir), mas aparentemente não foi à bola com fantasia. Estou desesperadamente a tentar navegar YA sem tropeçar em livros que romantizem relações abusivas. 

 

P.S. - Se estão a pensar que estou a dourar a pílula com leituras "fáceis", têm toda a razão. I take what I can.

Mas não me substimem porque já a pus a traduzir um poema de Rupi Kaur (que ela adorou!). 

 

22
Set17

Esta semana

1.

Actualizei a lista de livros lidos e percebi que ando a ler mais do que escrevo aqui. Pior se fosse ao contrário. Este ano já li 66 livros (!?), o que é um livro acima da média para mim. 

 

2.

Começo a fazer um balanço extremamente positivo deste ano de ler autores de língua portuguesa. Por exemplo, em Setembro já li:

A criação do mundo, Miguel Torga;

Dom Casmurro, Machado de Assis;

Terra Sonâmbula, Mia Couto;

Balada da praia dos cães, José Cardoso Pires.

 

Ou seja, quatro obras que referência (na minha TBR há anos), de quatro autores de referência, três deles li pela primeira vez, de três nacionalidades diferentes, de três formas distintas de exprimir o português. Era precisamente isto que eu procurava deste ano.

 

3.

Planeio terminar Setembro com dois livros de não ficção:

Pensar depressa e devagar, de Daniel Kahneman (intercalado com o podcast Better Living Through Books, que faz uma leitura acompanhada, com dois capítulos em cada episódio);

Autobiografia, Agatha Christie (para o Historiquices).

Considerando que somam 1268 páginas, acho que vou andar com eles por Outubro fora.

 

4.

E por falar em Outubro, assinalam-se os 150 anos do nascimento de Camilo Pessanha. Clepsidra é um pequeno livro de poemas, considerado por muitos uma das mais importantes obras da literatura portuguesa.

Comecei já a ouvir alguns vídeos/documentários no You Tube sobre o autor porque pouco sei dele e da sua obra. Estou a educar-me (ou a tentar, pelo menos). 

http://ensina.rtp.pt/artigo/camilo-pessanha

 

5.

Esta semana, o meu radar apanhou mais uma novela gráfica (sobre feminismo) que gostaria de ler: Moxie, de Jennifer Mathieu.

 6.

Ouvir a autora Celeste Ng a falar de O Conde de Monte Cristo, fez-me querer pegar no livro IMEDIATAMENTE. 

 

7.

Adorei que o Handmaid's Tale, da Margaret Atwood tivesse vencido tantos prémios Emmy. Bravo!

 

8. 

Isto.

 9.

Já senti que precisava de uma coisa destas (olá, Outono) . Mas não em feltro, por causa das microfibras. 

www.detectivehoundstooth.com

 

21
Set17

O Hobbit tem 80 anos

Há 80 anos, J.R.R. Tolkien publicava o Hobbit, que eu só conheço pelas fantásticas adaptações cinematográficas de Peter Jackson. 

The_Hobbit_Cover

É uma das obras que mais tenho pena de não ler lido, quando era jovem. É realmente um conjunto magnífico de histórias, claramente amplificadas pelos dotes de linguísta do seu autor, que desenvolveu mitologias e até idiomas élficos.

 

Quem sabe um dia...

17
Set17

Terra Sonâmbula - Mia Couto

Beach_cleaning

JotaCartas 

 

Apesar de já ter terminado a leitura há algum tempo, este livro tem andado comigo, como um tardio travo na boca. Infelizmente, não pelas melhores razões. Perdura pelas imagens marcantes de um sofrimento que é tangível: os horrores de guerra, campos refugiados, fome, o desespero. 

 

Terra Sonâmbula situa Moçambique em 1975, o ano da sua independência de Portugal. Destruído por anos de guerra colonial, continuará em guerra civil até aos anos 90. 

 

A obra divide-se em duas narrativas paralelas (capítulos alternados). Começamos com o velho Tuahir e o jovem Muindinga a caminhar por uma estrada morta, que os leva até um autocarro queimado, onde se decidem instalar e fazer dele o seu refúgio. 

 

O autocarro está ainda cheio de corpos carbonizados e no seu exterior, um cadáver baleado, que tem junto a si uma mala com vários cadernos que constituem o diário de Kindzu (segunda narrativa) e que o jovem Muindinga vai lendo a Tuahir.

 

Tuahir resgatou o jovem Muindinga num campo de refugiados, onde já não esperavam que vivesse como resultado de comer mandioca, já que algumas variedades são tóxicas, especialmente quando consumidas cruas. Tal leva à morte ou danos cerebrais.

 

 

O jovem Muindinga não tem memória do seu passado e assim, vive o passado de Kindzu, enquanto sonha em encontrar os seus pais.

 

Mas a Terra Sonâmbula, em torno do autocarro, vai mudando e ambos acordam para uma nova paisagem, a cada dia. E assim Mia Couto nos vai levando pela história e cultura de Moçambique, entre magia, feitiçaria e superstições.

 

Como referi inicialmente, o livro marcou-me, seja pela beleza luminosa da escrita como pela negra realidade que ilumina.  Marcou-me ao ponto de me sentir motivada para incluir, de forma muito mais intencional, literatura com origem em países colonizados por Portugal. 

 

Por falar em línguas...

 

O meu ponto de partida começou na língua portuguesa, mas até essa acaba por ser um símbolo colonizador. Em Moçambique, por exemplo, a língua portuguesa pode ser a oficial, mas entre as suas línguas nativas estão o macua, o tsonga e o sena (as mais comuns). E a leitura de livros africanos, em língua portuguesa, não deixam de introduzir nas suas obras a riqueza de outros vocabulários nativos.

 

Estas línguas nativas pertencem a uma família linguística (língua bantu) que abarca mais de 600 línguas, faladas por cerca de 300 milhões de pessoas (o português tem cerca de 280 milhões falantes). 

Pág. 1/5