Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

30
Set17

Este sábado eu vou...

Acompanhar as sessões da conferência "Em que pé está a igualdade?", da Fundação Francisco Manuel dos Santos. 

 

2231_oxo3n5yt.cwy

Literariamente falando, quero...

  • ver o vídeo de Gonçalo M. Tavares: "Dez Igualdades"
  • ouvir Richard Zimler e colocá-lo na minha lista de prioridades para ler (é surreal que nunca o tenha lido)
  • ouvir Ruby Bridges 
  • descobrir uma boa biografia (de preferência auto biografia) de Ruby Bridges 
  • descobrir um livro infanto-juvenil sobre  Ruby Bridges 
  • ouvir/ver o Governo Sombra em directo

images

2802861

28
Set17

Todos somos bons leitores

 

Há uma espécie animal que se tornou leitora; antes disso bípede, polegar oponível e etc. Mas leitora, sim, a única espécie animal que lê. 

Porém, os tempos passaram-se - e veio a tecnologia, a multiplicação infinita de imagens e textos, e a ansiedade - e esta espécie animal leitora em pouco tempo parece estar a transformar-se: a deixar de ser leitora e ficar leitora de títulos. As pessoas lêem um título e disparam a falar a falar a falar. 

Um animal que lê títulos, eis o humano médio do século XXI. 

Gonçalo M. Tavares, Jornal das Letras 13-26 Set 2017

 

Partilho a minha irritação com a polícia da leitura alheia. 

Absorver a leitura. Será que há pensos para isso?

25
Set17

National Book Foundation - 5 antes dos 35

5u35_bw_logo

As promessas da literatura, de acordo com National Book Foundation. As obras foram seleccionadas por vencedores de edições anteriores deste programa e/ou de autores vencedores do National Book Award.

 

Capturar

Lesley Nneka Arimah - What It Means When a Man Falls from the Sky: Stories (

Halle Butler - Jillian

Zinzi Clemmons - What We Lose

Leopoldine Core - When Watched: Stories

Weike Wang - Chemistry

 

25
Set17

Pelo Jornal de Letras afora

mw-860

Algumas pausas:

 

Os seres humanos nascem iguais, é o dinheiro que os torna diferentes.

Patrícia Portela

 

Se a Revolução Industrial baseou o seu sucesso inicial na ideia de que o trabalho dá sentido à vida, o trabalho é hoje responsável por muitas vidas sem sentido.

Patrícia Portela

 

[Como imagino que todas/os terão, tenho também eu, uma lista imaginária de coisas que compraria/faria se ganhasse o Euromilhões. Ser mecenas da Patrícia Portela seria uma dessas coisas. Enquanto isso não acontece, vou "ter" de comprar os seus livros.] 

 

Soa estranho escrever isto, mas vou escrever: vi no México e no Brasil uma loucura afectiva, tátil por Saramago, além de um conhecimento profundo da obra, que nunca presenciei em Portugal. 

Anabela Mota Ribeiro

 

Uma foto de Andréa Zamorano com a seguinte legenda: A fila hora e meia antes da inauguração da Casa Amado e Saramago.

 

24
Set17

Apelo de uma tia em desatino

A adolescente - eterna "não gosto de ler" - descobriu A rapariga no comboio, de Paula Hawkins e está a gostar. Descobriu, é como quem diz - influência de uma amiga leitora.

Já encontrei o "Escrito na Água", no OLX.

 

 

E a seguir?

Mando-a na direcção da saga Millenium? Gostaria que os livros tivessem boas personagens femininas, se possível.

 

Ela gosta de jogos de computador (daqueles que eu gostaria de proibir), mas aparentemente não foi à bola com fantasia. Estou desesperadamente a tentar navegar YA sem tropeçar em livros que romantizem relações abusivas. 

 

P.S. - Se estão a pensar que estou a dourar a pílula com leituras "fáceis", têm toda a razão. I take what I can.

Mas não me substimem porque já a pus a traduzir um poema de Rupi Kaur (que ela adorou!). 

 

22
Set17

Esta semana

1.

Actualizei a lista de livros lidos e percebi que ando a ler mais do que escrevo aqui. Pior se fosse ao contrário. Este ano já li 66 livros (!?), o que é um livro acima da média para mim. 

 

2.

Começo a fazer um balanço extremamente positivo deste ano de ler autores de língua portuguesa. Por exemplo, em Setembro já li:

A criação do mundo, Miguel Torga;

Dom Casmurro, Machado de Assis;

Terra Sonâmbula, Mia Couto;

Balada da praia dos cães, José Cardoso Pires.

 

Ou seja, quatro obras que referência (na minha TBR há anos), de quatro autores de referência, três deles li pela primeira vez, de três nacionalidades diferentes, de três formas distintas de exprimir o português. Era precisamente isto que eu procurava deste ano.

 

3.

Planeio terminar Setembro com dois livros de não ficção:

Pensar depressa e devagar, de Daniel Kahneman (intercalado com o podcast Better Living Through Books, que faz uma leitura acompanhada, com dois capítulos em cada episódio);

Autobiografia, Agatha Christie (para o Historiquices).

Considerando que somam 1268 páginas, acho que vou andar com eles por Outubro fora.

 

4.

E por falar em Outubro, assinalam-se os 150 anos do nascimento de Camilo Pessanha. Clepsidra é um pequeno livro de poemas, considerado por muitos uma das mais importantes obras da literatura portuguesa.

Comecei já a ouvir alguns vídeos/documentários no You Tube sobre o autor porque pouco sei dele e da sua obra. Estou a educar-me (ou a tentar, pelo menos). 

http://ensina.rtp.pt/artigo/camilo-pessanha

 

5.

Esta semana, o meu radar apanhou mais uma novela gráfica (sobre feminismo) que gostaria de ler: Moxie, de Jennifer Mathieu.

 6.

Ouvir a autora Celeste Ng a falar de O Conde de Monte Cristo, fez-me querer pegar no livro IMEDIATAMENTE. 

 

7.

Adorei que o Handmaid's Tale, da Margaret Atwood tivesse vencido tantos prémios Emmy. Bravo!

 

8. 

Isto.

 9.

Já senti que precisava de uma coisa destas (olá, Outono) . Mas não em feltro, por causa das microfibras. 

www.detectivehoundstooth.com

 

21
Set17

O Hobbit tem 80 anos

Há 80 anos, J.R.R. Tolkien publicava o Hobbit, que eu só conheço pelas fantásticas adaptações cinematográficas de Peter Jackson. 

The_Hobbit_Cover

É uma das obras que mais tenho pena de não ler lido, quando era jovem. É realmente um conjunto magnífico de histórias, claramente amplificadas pelos dotes de linguísta do seu autor, que desenvolveu mitologias e até idiomas élficos.

 

Quem sabe um dia...

Pág. 1/6