Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

17
Mar17

Gabriela, cravo e canela - Jorge Amado

10585860

Antes de mais, tenho de agradecer à Bárbara que me incentivou a começar por Gabriela, cravo e canela (por não ter Capitães da Areia). 

 

O livro é absolutamente magnífico e, desde o momento em que peguei nele, não o consegui pousar, tendo-o lido num dia (ou dois, se considerarem que já me deitei às 2h00).

 

Gabriela, cravo e canela é uma história de vários amores e do amor a uma cidade. Há uma Baía que reconhecemos das telenovelas: os comerciantes, os coronéis, as amantes mantidas, os jagunços, um todo imaginário social que é absolutamente delicioso de ler.

Até há a jovem, que lê O crime do Padre Amaro, apesar de ser um livro considerado imoral. Também encontramos em Gabriela, cravo e canela uma crónica dos costumes.

 

A personagem Gabriela é absolutamente fantástica, a natureza no seu estado puro, com o progresso da cidade como pano de fundo. Há quem a tente mudar, educá-la, mas Gabriela é indomável, como o vento que acaba por contornar os edifícios, mas que não pode ser parado.

 

Gabriela chega à cidade e logo encontra trabalho com Nacib, um próspero comerciante de origem síria que, de imediato, fica rendido aos temperos da nova cozinheira. E quem diz temperos, diz a sua beleza, o seu cheiro a canela, a sua sensualidade e a forma carinhosa como o trata: moço bonito.

 

O cheiro de cravo,

a cor de canela,

eu vim de longe

vim ver Gabriela.

 

Um dos pontos fortes deste livro é, sem dúvida, a forma como Jorge Amado consegue cruzar o desenrolar da relação de Gabriela e Nacib como a evolução da sociedade local. 

 

Um ponto negativo (muito pequenino) é um pormenor no fim (que naturalmente não posso discutir convosco). Uma coisinha pequenina... que já está perdoada.

 

O livro é magnífico e merece muito ser lido.

4 comentários

Comentar post