Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

25
Jul17

Não terminado - O novíssimo testamento

 

Confesso que era uma leitura para a qual tinha algumas expectativas. A premissa era fantástica - E se Jesus ressuscitasse mulher?, numa pequena vila em Cabo Verde? 

 

Adorei as primeiras páginas, com um cheirinho a la Saramago. Mas a verdade é que foi só isso. Não senti que a história ou as personagens fossem coesas. Havia páginas e páginas de listas (as primeiras até têm piada, depois é simplesmente um saltar de páginas), por exemplo, o conteúdo de uma mercearia. 

 

Mas vamos à história. Numa vila em Cabo Verde vivia uma beata que dedicou toda a sua vida à sua beatice. No leito da morte pede para ser fotografada, para espanto das suas 2 netas emprestadas. 

_Valha-nos Deus, chamem o médico, chamem o médico,

(...)

_Não chamam nada, na minha morte mando eu,

 

Claro está que a velha não podia dizer "Na minha vida mando eu", porém, com aquele trocadilho, estava a fazer uma clara alusão à vida que ela não vivera e por que sempre tivera curiosidades, sempre desejara experimentar, mesmo escondida atrás das rezas e dos terços, porém tal reacção era uma amostragem de todo o seu descontentamento, uma provocação e uma cobrança do que ela tinha na alma e em mente e que a alma e a mente nunca buscaram consenso... 

 

Porém, no momento que o fotógrafo dispara a máquina, a velha evapora-se, vindo a revelar-se como Jesus, quando a fotografia é também ela revelada.

 

Depois, é toda uma sociedade e os seus valores a revelarem-se perante o evento, com uma mistura saudável de religioso e profano, em algumas fabulações muito bem conseguidas. 

 

Ainda assim, não consegui que o livro me levasse para além das 150 páginas, apesar de ter momentos muito bem conseguidos. Fico com a sensação que, alguma edição levaria esta obra a uma versão mais coesa.

 

Há muito tempo que não desistia de um livro e sinto-me particularmente desapontada que tenha este. Mas a vida é demasiado curta. Quem sabe se um dia volto a ele.

 

A reler: O Evangelho segundo Jesus Cristo, José Saramago.  

1 comentário

Comentar post