Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

28
Abr17

Capitãs de Abril - os cravos

Que fantástico, este pequeno livro.

 

 

 

- Então, e precisam de alguma coisa? Como é que posso ajudar?

- Se tiver um cigarrinho... Um cigarrinho calhava bem.

A mulher deita males à vida, tantos anos a vender tabaco e agora nem um maço. Se fumasse, ao menos teria um cigarro no bolso, assim nem réstia de nicotina e as lojas estão todas encerradas.

- Bem gostaria de lhe dar um, mas nunca fumei... Olhe, tome lá um cravo que tanto se oferece a uma senhora como a um senhor.

O soldado agradece num sorriso, estende a mão para apanhar o cravo e arruma-o no cano da G3. Dia de alegria, a arma como jarra. Celeste gosta da idea, antes flores que balas. Num ápice, distribui o molho inteiro pelos militares com quem se cruza, os cravos do "Franjinhas" nas armas do Exército. 

28
Abr17

Capitãs de Abril - Ana Sofia Fonseca

 

A família não tinha pé-de-meia, mas teve engenho para sentar os quatros filhos nos bancos da escola. Todas as manhãs, horas a pé até à ardósia mais próxima, ao sol e à chuva, pés descalços e lobos no recreio. O pai vai mudando de colocação e a família acaba por ir parar à Marinha Grande. Mas nada livra o rapaz do pesadelo da infância - numa das primárias, à conta de não ter sapatos, a professora condenou-o à rua. A dor desse dia fundeou no mais profundo da alma, décadas a fio, volta e meia havia de acordar a sonhar-se de farda número 1 e pés descalços.

09
Abr17

Este país

A dúvida que ainda tenho é saber se continua a passar-se alguma coisa no país, mesmo que tenhamos passado por uma revolução, por uma contra-revolução, e por marés em que direita e esquerda vão mantendo a ilusão de um ciclo lunar, umas vezes com a ideologia mais baixa, deixando ver na areia da política todo o lixo que os petroleiros vão limpando dos seus depósitos, ao longo da nossa memória do que foi a revolução, que já foi, Deus a tenha em bom recato, e aos livros subversivos também, que hoje já não valem nada, nem sequer em feiras de alfarrábios.

O anjo da tempestade
Nuno Júdice

 

 

04
Abr17

Poesia no lado prosa

 

Embora me pareça que não haja uma única eternidade, mas muitas mais, e em cada uma teremos de levar nova vida mortal não tanto para reparar, como para repetir, os erros que cometemos nalguma outra, porque é nossa essência sermos o que somos, sem margem para profunda reparação.

 

Ler Nuno Júdice é ir embalada pela linguagem, em vez de pela história.

08
Mar17

As mulheres

(...) As mulheres precisam de dinheiro para serem pessoas, mais que simples mulheres. Acima de tudo estimo que sejas uma pessoa. Quero que sejas aquilo que eu não fui - e suspirava. - Para que não te aconteça...

 

A madona - Natália Correia

25
Fev17

Os livros

Este objecto barato permite-nos interrogar o passado e obter respostas exactas, utilizar a sabedoria da nossa espécie, compreender o ponto de vista dos outros, e não apenas dos que detêm o poder, partilhar - com os melhores professores - a compreensão, dolorosamente obtida a partir da natureza, dos maiores espíritos que jamais existiram, extraída de todo o planeta e de toda a nossa história. Permitem que pessoas há muito mortas falem dentro das nossas cabeças. São pacientes quando nós somos lentos a entender, permitem-nos rever as partes difíceis tantas vezes quantas queremos e nunca criticam as nossas falhas. Os livros são a chave para compreender o mundo e participar numa sociedade democrática.

 

Carl Sagan - Um mundo infestado de demónios

 

18
Fev17

...

Os disparates, as mistificações, a irreflexão, as fraudes e os desejos disfarçados de factos não se limitam a magia de salão e a conselhos ambíguos sobre assuntos sentimentais. Infelizmente, impregnam as questões políticas, sociais, religiosas e económicas em todos os países.

 

Carl Sagan

Um mundo infestado de demónios

17
Fev17

Violência na televisão e as crianças

Até parece que é um livro de puericultura, mas não. Porém, não resisto à partilha de um segundo trecho. Advirto que a primeira frase é um exemplo de "confusão entre correlação e causa": 

 

(...) as crianças que vêem programas de televisão violentos têm tendência para serem mais violentas quando crescem. Mas foi a televisão a provocar a violência ou as crianças mais violentas preferem ver programas violentos? Muito provavelmente ambas as afirmações são verdadeiras. Os defensores da violência na televisão afirmam que qualquer pessoa consegue estabelecer a distinção entre televisão e realidade. Mas os programas infantis de sábado de manhã apresentam uma média de 25 actos de violência por hora. Pelo menos isto torna as crianças menos sensíveis à agressão e à crueldade aleatória. E, se é possível implantar falsas recordações nos cérebros dos adultos impressionáveis, que estaremos a implantar nos nossos filhos quando os expomos a cerca de 100 000 actos de violência antes de terminarem a escola primária?

 

Carl Sagan

Um mundo infestado de demónios

 

Recordo agora que este livro foi escrito em 1995.

 

Auto-link: Há livros de auto-ajuda e depois há Carl Sagan (para pais)

13
Fev17

Muros

por toda a parte, no mundo inteiro, centenas de milhares de milhões de pessoas assim, pessoas ignorando a existência uma das outras, separadas por muralhas de ódio e mentira

 

1984, George Orwell