Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

15
Fev16

O livro proibido é o mais apetecido

Quando me propus a ler apenas mulheres, apenas vi o desafio numa perspectiva positiva: ia ler mais escritoras.

 

Ora, um dos efeitos secundários, que não esperava, era criar uma expectativa em relação às leituras que estou a adiar, ou seja, escritos por eles. Já suspiro pelos livros que estão na estante, à espera de serem lidos, somente a aguardarem as 12 badaladas do dia 1 de Janeiro de 2017.

 

Parece-me um excelente ponto positivo, que vai ao encontro da teoria do paradoxo da escolha: que perante muitas opções, mais depressa nos sentimos ansiosas que satisfeitas e depois da escolha, ainda fica a ansiedade se esta terá sido a melhor opção. 

 

Eu, ao limitar as minhas escolhas de 2016 a livros por mulheres, e as de 2017 a literatura originalmente escrita em língua portuguesa, afinal estarei a maximizar a minha liberdade individual. ;)

 

E por falar em próximas leituras, mais um livro no meu radar:

Capture.JPG

15
Fev16

Um estado selvagem - Roxane Gay

250_9789724750248_um_estado_selvagem.jpg  

Estava na prateleira das novidades, na minha biblioteca.

Não peguei nele e senti-me muito crescida. 

Tenho 3 livros da biblioteca ainda em casa, uma leitura partilhada para fazer (Sensibilidade e bom senso) e um objectivo anual de que pelo menos 50% das leituras que faço serão da minha estante. 

;)

 

 

15
Fev16

Acordar

 De facto eu tinha passado o escuro da manhã a rezar pela sabedoria que me permitisse proceder bem na presença de John Ames Bouhton, e depois quando ele me acordou fiquei imediatamente consciente que o meu velho eu tristonho e reptilário* seria capaz de o entregar aos Filisteus por mais alguns minutos de sono.

 

* A edição tem a palavra reptiliário que, na minha modesta opinião, não existe. 

Pág. 1/3