Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

17
Nov16

A sexta extinção - Elizabeth Kolbert

 

Este livro não é nada do que eu pensei que iria ser. Que fantástica surpresa. 

 

A jornalista Elizabeth Kolbert leva-nos pela história e pelo mundo, em treze capítulos temáticos. para nos mostrar o impacto que o ser humano está a ter em espécies de fauna, flora e até geologia. Tudo numa linguagem acessível, informativa e bem humorada.

 

Pelo mundo, ficamos a conhecer experiências científicas, o dia a dia dos próprios cientistas, projectos relacionados com a superfície terrestre ou espécies de fauna e flora. Infelizmente quase todos os capítulos são sobre como a uma espécie está a desaparecer.

 

Gostaria de ser muito mais eloquente para transmitir os conteúdos fascinantes deste livro: da Amazónia, à Grande Barreira dos Corais; dos animais extintos aos zoos criogénicos que estão a ser criados pelo mundo (uma Arca de Noé para o futuro).

 

Com livros assim, fica-se com uma imensa sede de mais saber e é por isso que os livros de não-ficção irão continuar a ser uma boa parte das minhas leituras.

 

Coisas que aprendi e que me surpreenderam:

 

O conceito de animal extinto só surge no final do século XVIII. A história como concluíram pela tese do impacto do asteróide é fascinante. 

 

Darwin foi grandemente influenciado por um geólogo, Charles Lyell, que publicou as suas ideias em 3 grandes volumes cuja primeira edição vendeu 45 mil exemplares - livros de geologia a vender 45000 cópias só numa primeira edição... no séc. XIX! Esses livros, foram a leitura de Darwin na sua viagem no Beagle.

 

Sempre achei que o grande mérito dos Principles era de que alterava todo o tom de uma mente

A frase é de Darwin, precisamente sobre a obra de Lyell. Que magnífica descrição sobre o poder dos livros: alterar todo o tom de uma mente.

 

 

charlesdarwin26.jpg

 

Tudo que aprendi sobre o homem Neandertal estava errado. Estudos mais recentes dizem que afinal são muito mais parecidos do homem moderno, do que a imagem do peludo que nos deram.

neandertal-en-traje-ropa-moderna1.jpg

 

 Na verdade, somos quase todos 1% a 4% de Neandertal.

 

Jonathan Schell escreveu "a futurologia nunca foi um campo de investigação muito respeitável, mas é difícil não ver o futuro do nosso planeta e da nossa espécie, reflectido num presente que já evidencia a extinção de um enorme número de espécies, o empobrecimento da biodiversidade, os efeitos desastrosos do aquecimento global. 

 

Aliás, se pensarmos que a acidificação dos oceanos - que já é mensurável e uma das consequências do aquecimento global e emissão de CO2 - desempenhou um papel em pelo menos duas das cinco grandes extinções e possivelmente foi factor determinante numa terceira, não há como ser optimista.

 

Sugestões de leitura:

Climate Change: In Focus (Projecto fotográfico)

Stephen Hawking just gave humanity a due date for finding another planet (Washington Post)

 

Sugestão de visionamento:

 Lista de reprodução das TED Talks (5 vídeos)

Livro lido graças à minha biblioteca pública

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.