Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

20
Jun18

Cartas no meu radar

As cartas ou epístolas, são um género literário por onde não me tenho embrenhado, mas que está sempre presente como um género que estou a adiar injustamente. 

 

Em particular, há uma compilação de cartas entre Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena, que sempre tive muita curiosidade em ler. Ainda por cima, o período é fascinante: 1959/1978, já que inclui o Estado Novo e o advento da democracia. 

 

E estão ainda no meu radar as Cartas de Eugénio de Andrade a Jorge de Sena. 

Capturar (147).JPG 

 

Outro conjunto de cartas, no meu radar, é uma colectânea por Mónica Santos, De Mulher para Mulher - Cartas trocadas entre grandes mulheres da história, que reúne cartas das irmãs Brontë, Sylvia Plath, Anne Frank, Hannah Arendt ou Isabel Allende. 

 

editorialestampa-pb_de_mulher_para_mulher_9789723323788jpg.image.300x454.jpg

(aqui por apenas €3.00, menos €2.00 que na Bertrand)

 

Outro livro de correspondência entre escritores, que desejo muito ler é este Com o Mar por Meio. Uma amizade em Cartas - Jorge Amado e José Saramago. 

 

 

Já lidos:

 

Claro que não poderia deixar de recomendar as Cartas Da Guerra de António Lobo Antunes,  que são um vislumbre das vivências na Guerra Colonial, e de que gostei particularmente.

 

Cartas a um jovem poeta, de Rainer Maria Rilke

Entre 1902 e 1908, Rainer Maria Rilke escreveria 10 cartas ao aspirante a poeta Franz Xaver Kappus, que lhe enviava sonetos para avaliação e orientação. As respostas que receberia, são verdadeiras reflexões sobre a vida, a arte e a (impaciente) juventude.

 

Cartas portuguesas, de Soror Mariana Alcoforado

Cinco cartas de amor e desamor, que provavelmente nunca saberemos se são verdadeiras, embora saibamos que a Soror Mariana Alcoforado e o seu romance com um oficial francês é uma história verídica. Já a autoria das cartas vem a ser discutida há muito.

 

Perdidamente (correspondência amorosa 1920-1925) - Florbela Espanca

As cartas incluídas neste livro são cartas privadas de Florbela para o seu segundo marido - António Guimarães - e oferecem um extraordinário vislumbre sobre a vida pessoal de Florbela Espanca.

3 comentários

Comentar post