Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

08
Mar18

Dia da Mulher: em vez de flores, livros

Esta manhã tive uma experiência que se poderia intitular: como não assinalar o Dia da Mulher. Como me calei, no momento, também calo agora o nome do local. 

 

Saio do elevador e lá estão os cestinhos de flores, debaixo de alguns braços. Como percebi de imediato do que se tratava, fintei a oferta, com um furtivo "não obrigada". 

 

E de imediato tenho um homem, à minha frente, de uniforme (o normal nesse local) e de braços abertos a barrar-me a passagem. Em torno dele, algumas mulheres, com flores e claramente suas subordinadas (hierarquicamente falando). 

 

Ou seja, este estabelecimento achou que a melhor forma de celebrar o Dia Internacional da Mulher, era com a imagem do patriarcado: homem uniformizado, superior hierárquico das mulheres presentes, com comportamentos claramente de domínio, como ir à frente do grupo, não aceitar não como resposta e usar o corpo para barrar a passagem da mulher que acabou de dizer não. E não esquecer...dar flores às flores.

 

Entenda-se que este senhor não foi de todo agressivo. A sua intenção era das melhores e o seu sorriso tinha uma mensagem inequívoca de que vinha por bem. 

 

Porém, isso não é a boa notícia. A falta de consciência de como todos estes comportamentos são tóxicos, porque apenas perpetuam imagens do que se pretende de uns e outros, é muito mais grave. Como mudar aquilo, que nem se tem consciência que está errado?

 

Gostaria que no Dia Internacional da Mulher, os homens oferecessem livros em vez de rosas. Pelo menos isso dir-me-ia que querem mulheres letradas (e eu acredito que isso leva a força interior). 

 

Mas por favor não me ofereçam flores.