Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

25
Abr18

Leituras sobre as mulheres do 25 de Abril

Há dois livros, sobre o 25 de Abril, que destacaria, pela perspectiva feminina, tão ausente da literatura deste período.

Se tivesse de escolher uma frase para descrever este livro, diria que foi aquele que me ensinou, o que não sabia que desconhecia.

Ana Sofia Fonseca concentra-se nas horas que antecederam a revolta dos militares, pelos olhos das mulheres que os acompanharam, desde as namoradas, às esposas, até àquela que daria o nome à revolução. 

Na descrição dessas horas, vai contextualizado como os casais se conheceram e de como chegaram ali. Acima de tudo, sobre como era ser mulher no Antigo Regime.

250x.jpg

Maria Antónia Palla é/foi uma activista dos direitos humanos e do feminismo, que - por acaso - também é a mãe do actual primeiro ministro. 

Oferece um excelente vislumbre sobre o jornalismo português do antes e pós-25 de Abril. Tem igualmente a melhor descrição que já li, sobre o colonialismo:

 

O gado era a principal riqueza dos naturais dessa região. E embora a posse dos animais fosse individual, a gestão das manadas era colectiva. Porque tudo dependia da água. O que fazia circular o gado por terras não delimitadas, em busca dos reservatórios de águas das chuvas que os seus proprietários tinham construído. Os concessionários mandaram a certa altura colocar avisos de que, dentro de um ano, a terra que não fosse reclamada, passaria a sua posse. Os naturais não sabiam ler. E um belo dia, encontraram a terra partilhada e cercada de barreiras, o que impedia o acesso à àgua dos animais que ficavam condenados a morrer de sede.

Aos seus proprietários, espoliados das terras que há séculos lhes pertenciam, restava-lhes ir trabalhar para as minas da África do Sul onde ficavam retidos por contratos que faziam deles escravos.

Viver pela liberdade, Maria Antónia Palla 

3 comentários

Comentar post