Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

08
Ago18

O trailler para o Bel Canto de Ann Patchett

Um livro magnífico merece um filme à altura.

 

O tomada de reféns realmente ocorreu, no Peru entre 1996 e 1997 e Ann Patchett imagina uma teia de relações entre reféns e terroristas, no decurso de meses.  

 

Entre os reféns Katsumi Hosokawa (um empresário japonês) e Roxane Cross (uma cantora de ópera), forma-se uma relação sem palavras, já que não falam a mesma língua. Entre eles, uma multi narradora omnipresente: Ann Patchett.

 

E os terroristas? Ann Patchett declarou numa entrevista que não consegue criar vilões pelo que não os esperem em Bel Canto. 

 

O livro venceu vários prémios literários, entre os quais o Prémio Orange (agora Baileys Women's Prize for Fiction) e o PEN/Faulkner Award for Fiction. 

 

Recomendo vivamente.