Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

11
Jul18

Amor de Perdição,de Camilo Castelo Branco

Capturar (189).JPG

Desde que descobri que havia um Amor de Salvação, que estava determinada a lê-lo. Porém teria sempre de ser precedido de uma releitura de Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco

 

O meu objectivo era perceber como leria Amor de Perdição, como adulta, depois de ter sido obrigada a lê-lo na escola e ter apenas retido a expressão "de faca e alguidar", em relação ao seu autor e que este seria o expoente máximo do romantismo. 

 

A minha edição tinha três documentos prévios ao romance e que achei particularmente interessantes.

 

 

Primeiro, uma carta de Camilo, do tempo da primeira publicação (1861), quando preso na Cadeia da Relação e que é pura graxa a um ministro. Também Camilo foi preso "por amor" e como tal, nada como um romance a idealizar o carácter da personagem condenada, para granjear simpatia para a sua situação.

 

Depois, um prefácio à 5ª edição, em 1879, em que faz uma crítica jocosa da obra: 

Dizem, porém, que o Amor de Perdição fez chorar. Mau foi isso. Mas agora, como indemnização, faz rir: tornou-se cómico pela seriedade antiga, pelo raposinho que lhe deixou o ranço das velhas histórias do Trancoso e do padre Teodoro de Almeida. E por isso mesmo se reimprime. O bom senso público relê isto, compara com aquilo, e vinga-se barrufando com frouxos de riso realista as páginas que há dez anos aljofarava com lágrimas românticas.

 

Faz-me tristeza pensar eu que floresci nesta futilidade da novela quando as dores da alma podiam ser descritas sem grande desaire da gramática e da decência. Usava-se então a retórica de preferência ao calão. O escritor antepunha a frequência de Quintiliano à do Colete encarnado. A gente imaginava que os alcouces não abriam gabinetes de leitura e artes correlativas. Ai! quem me dera ter antes desabrochado hoje com os punhos arregaçados para espremer o pus de muitas escrófulas à face do leitor! Naquele tempo, enflorava-se a pústula; agora, a carne com vareja pendura-se na escápula e vende-se bem, porque muita gente não desgosta de se narcisar num espelho fiel.

 

Mas esperem... 

 

Se, por virtude da metempsicose, eu reaparecer na sociedade do século XXI, talvez me regozije de ver outra vez as lágrimas em moda nos braços da retórica, e esta 5.a edição do Amor de Perdição quase esgotada.

 

Finalmente, um prefácio à 2ª edição em que explica que é a história do seu tio paterno: Simão António Botelho.

 

A história

 

Tivesse sido escrito hoje, teriam acusado Camilo de plagiar o Romeu e Julieta: duas famílias que se odeiam, as jovens crias  apaixonadas (18 e 16 anos de idade), os amores negados, um familiar que morre, pais com sede de vingança, facilitadores da relação... está tudo cá. 

 

Eu não quero introduzir aqui spoillers, mas estamos no período literário do romantismo, em que o amor é a perdição, e Camilo Castelo Branco é o expoente máximo do romantismo. Percebem agora o faca e alguidar?  

 

Eu, leitora

 

Não posso dizer que adorei porque seria mentira. Na verdade, retirei mais prazer dos documentos iniciais e de uma secção auto biográfica sobre a prisão, que toda a história de Simão e Teresa que, apesar de tudo, gostei de ler. 

 

Gostei, acima de tudo de poder reler a obra e ver o autor por uma lente bastante diversa da que tinha, confesso. Ultrapassei o "autor chato" e reconheci o autor do seu período.

Avançarei para O Amor de Salvação, não me esquecendo que me recomendaram que não me esquecesse de ler A queda de um anjo. Fica ainda no meu radar a leitura de Memórias de um Cárcare. 

 

 

Como referi anteriormente, há um trecho que gostei particularmente e que publico infra. Contém spoillers, fica a advertência.

 

 

 

10
Jul18

Contos Exemplares de Sophia de Mello Breyner #2

Capturar (181).JPG

O jantar do Bispo é o primeiro dos contos exemplares e é também o meu preferido. Neste conto, vemos um bispo dividido entre as diversas forças que regem o mundo ricos/pobres, bem/mal, deus/diabo.

 

Com personagens a quem não é dado nome - Dono da Casa, Dona da Casa, Bispo,  Abade de Varzim, Homem Importantíssimo - convivem as menos “importantes” - Pedro, o primo empobrecido do Dono da Casa, João, o filho do Dono da Casa, a cozinheira Gertrudes. É como se os poderosos não necessitassem de um nome de batismo, o seu poder basta-lhes.



Não é assim, no dia-a-dia? Quantos não referem ser tratados pelo seu título? Os doutores, os engenheiros. Como se isso fosse a sua identidade.

 

Este conto é exemplar na sua mensagem moralista. Esse é o objectivo. Mas é também um conto com uma primorosa escrita.

 

Nas vertentes cavadas em socalco crescia a vinha. Era ali a terra pobre donde nasce o bom vinho. Quanto mais pobre é a terra, mais rico é o vinho. O vinho onde, como num poema, ficam guardados o sabor das flores e da terra, o gelo do Inverno, a doçura da Primavera e o fogo dos Estios. E dizia-se que o vinho daquelas encostas, como um bom poema, nunca envelhecia.



A história começa assim: o Dono da Casa não gosta do  Abade de Varzim, homem mais voltado para os pobres que para os ricos. Deseja afastá-lo e para isso convidou, entre outros, o Bispo para um jantar, onde lhe iria apresentar as suas razões. Ora, o Bispo precisa de dinheiro para o telhado de uma Igreja e por isso, comparece com a intenção de pedir dinheiro ao Dono da Casa. Cederá o Bispo aos desmandos do Dono da Casa? 

 

 

A leitura partilhada de Contos Exemplares de Sophia de Mello Breyner, está a ser feita no Clube dos Clássicos Vivos, entre Julho e Agosto.

 

10
Jul18

Curtas literárias 10.07.2018

1.

Lidos

Capturar (181).JPG1 (215).JPGCapturar (189).JPG

Queria continuar com o segundo calhamaço que planeava ler este mês - Pensar, Depressa e Devagar - mas continua emprestado a outro/a leitor/a da minha biblioteca. Por cortesia, não reservo, porque isso iria impedir a renovação da outra pessoa. 

 

Por isso, requisitei estes calhamaços: 

Capturar (191).JPG

Armas, Germes e Aço, Jared Diamond - Uma obra de não ficção que há muito queria ler. Vencedor do Prémio Pulitzer (1998), percorre a história da humanidade para "perceber como certos povos conseguiram invadir outros continentes e conquistar ou desalojar os seus habitantes".

 

 O tempo entre costuras, María Duenas - Quando comecei a aprender a costurar, esta capa apareceu numa qualquer estante e por alguma razão, sempre o quis ler. Uma jovem modista tornada espia durante a 2ª GGM, entre Madrid, Tânger e Tetuán? Parece-me um romance perfeito para viajar.

 

O livro do desassossego, Fernando Pessoa - É daqueles livros que se diz que não é para ler, é para se ir lendo. Até ter o meu exemplar, vou lendo aos poucos esta edição da minha biblioteca.

 

2.

Entrevistas

 

Germano Almeida: É publicado em Portugal há 30 anos mas os seus livros vendem pouco mais de 100 exemplares. Este ano o prémio Camões veio dizer que há África para lá de Agualusa e Mia Couto. [Observador]

 

É preciso relativizar a bajulação. Os leitores dão muita corda aos escritores e eles tornam-se uns bazófias. A única forma de contornar isso é relativizando os elogios. Ou então perguntar: mas gostou porquê? E aí as pessoas não conseguem explicar, porque têm falta de sentido crítico. Faz muita falta ensinar às pessoas o sentido crítico.

 

Diversas autoras (seguir links)

I Talked to 39 Women Who Write Nonfiction, and Here’s What I’ve Learned [Electric Literature]

 

 

3.

Outras leituras

Where Are You? - Joyce Carol Oates [The New Yorker]

09
Jul18

Contos Exemplares de Sophia de Mello Breyner #1

É quase uma vergonha admitir que só este mês li Contos Exemplares de Sophia de Mello Breyner.

 

Antes de mais, três notas.

 

A primeira, que o título é uma referência às Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes, um conjunto de novelas de carácter moral, muito em voga na altura (1590-1612).

 

Depois, que os Contos Exemplares, na versão que eu possuía, são precedidos do tipo de prefácios que eu fujo a sete pés e que (gentilmente) caracterizo de masturbação intelectual. Recomendo vivamente que saltem o prefácio directamente para os contos.

 

Finalmente, que os contos estão indicados, no Plano Nacional de Leitura, para o 8º ano de escolaridade. Acho duvidoso que crianças com 12-13 anos compreendam o alcance da maioria dos contos, mas isso é uma questão que levaria a uma longa discussão.

 

Os contos são:

 

O Jantar do Bispo

A viagem

Retrato da Mónica

Praia

Homero

O Homem

Os Três Reis Do Oriente



A leitura partilhada de Contos Exemplares de Sophia de Mello Breyner, está a ser feita no Clube dos Clássicos Vivos, entre Julho e Agosto.

 

30
Jun18

Julho literário

Na minha agenda:

 

1. 

1 (5).png

Uma das minhas bibliotecas municipais é muito mais tristonha do que aquela em que utilizo diariamente. Raramento lá vou.

Mas estará aberta no dia 1 de Julho, o Dia Mundial das Bibliotecas e acho importante (e muito prazenteiro) participar no dia e abalar-me para lá. 

 

Mais, encontrei o meu "passaporte cultural" que tem ZERO carimbos da biblioteca. Como é isso possível? Já o coloquei na carteira para remediar isso. 

 

2.

Como já havia referido, entro no mês de Julho a terminar livros inacabados, que também são calhamaços:

- A ponte invisível, Julie Orringer;

- Pensar, depressa e devagar, Daniel Kahneman.

 

3.

Julho é também o mês da 3ª edição do projecto Ler os Nossos, organizado pela Cláudia, A mulher que ama livros

 

Como todos os clássicos a votos para o Clássico de julho e agosto - encontro na Feira do livro do Porto são "nossos", a minha tarefa ficou muito facilitada.

Capturar (160).JPG

 

Além dos Contos Exemplares, gostaria também de ter tempo para reler e ler, de Camilo Castelo Branco: Amor de Perdição e Amor de Salvação.  

 

Falta saber o que trago da biblioteca.