Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

07
Set17

Dom Casmurro - Machado de Assis

 

Depois de ter terminado, descobri que comecei Machado de Assis pelo terceiro volume daquilo que é considerada a sua trilogia realista:

Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881)

Quincas Borba (1891)

Dom Casmurro (1899)

 

Porém, foi o eleito para o Clube dos Clássicos Vivos (Setembro/Outubro) e há muito que estava na TBR. 

 

Machado de Assis é considerado um dos autores máximos da literatura brasileiro. Conheço-o como fazendo parte da escola realista, como Eça de Queiróz, por exemplo. Mas ao contrário deste último é mais um realismo psicológico, que um social.

 

Uma das características mais marcantes deste autor é o seu diálogo com a/o leitor/a. Na verdade, é um tu cá/tu lá, e fa-lo com muito humor. 

 

Se desejarem ler Machado de Assis, saibam que é um autor que está no domínio público e podem facilmente encontrar toda a sua obra online. 

Destaco Machado de Assis - Vida e obra, um projecto do Ministério da Educação Brasileiro e a Universidade Federal de Santa Catarina. 

 

1

07
Mar16

Sensibilidade e bom senso - Jane Austen

3.PNG 

 

 A releitura do Sensibilidade e bom senso de Jane Austen foi determinada pelo Clube dos Clássicos Vivos. Não me recordo das minhas impressões da primeira leitura, mas tambem não costumo prender-me a elas. descobri há muito que crescemos e a leitura que fazemos dos livros e da vida, crescem connosco.

 

A obra centra-se na vida de duas irmãs, numa Inglaterra do séc.XIX, cujo cenário principal alterna entre o campo bucólico e os salões de festas. Do principio ao fim, não temos muito mais que algumas caricaturas sociais e uma trama centrada na finalidade das mulheres da época - casarem. 

Marianne é a jovem de 16 anos que almeja um amor verdadeiro e ardente; deseja viver intensamente e honestamente prega as suas convicções  - de adolescente - a quem a quer (ou não) ouvir. Elinor é a mais velha e sensata, cujas paixões esconde; muito sofrida e muito elevada em sentimentos. O paralelo no masculino faz-se no safado do Willoughby e no sofrido Coronel Brandon. 

 

Este Sensibilidade e bom senso não tem o brilho de Orgulho e Preconceito. Falta-lhe qualquer coisa que não consigo identificar. Mas não posso deixar de fazer o paralelo entre Elizabeth e Elinor e, entre as duas, a primeira é superior.  

 

Outra coisa que me condicionou a leitura foi o filme. É impossível não estar, constantemente, a comparar as duas versões da obra. 

 

Confesso que continuo a preferir Elizabeth Gaskell, outra inglesa do período vitoriano, mas com uma contemporaneidade muito maior sobre o papel das mulheres e até sobre condições laborais em fábricas. Por falar nisso, impõe-se uma releitura de Norte e Sul.

13
Set15

Clube dos Clássicos Vivos - Moby Dick - 13 de 14

Em Agosto li Moby Dick, juntamente com as/os restantes membros do Clube dos Clássicos Vivos, moderado pela Cláudia Oliveira (A mulher que ama livros).

Capturar2.JPG

Lembram-se? Moby Dick é aquela gigantesca baleia branca que o capitão Ahab persegue nas páginas do romance de Herman Melville. É (dizem os exegetas autorizados da obra) uma encarnação do mal, sobre que se obstina, sur­do a conselhos e razões, o ódio de Ahab. Ao longo de centenas de páginas, ficamos a saber tudo a respeito da caça da baleia no sécu­lo XIX e de como se faz uma obra-prima literá­ria. Moby Dick, agora título de livro, é provavelmente o maior romance de toda a lite­ratura norte-americana. 

(in Moby Dick em Lisboa de José Saramago)

ler aqui

12
Set15

Clube dos Clássicos Vivos - Moby Dick - 12 de 14

Em Agosto li Moby Dick, juntamente com as/os restantes membros do Clube dos Clássicos Vivos, moderado pela Cláudia Oliveira (A mulher que ama livros). 

 

- Presságio? Presságio? O dicionário! Se os deuses pensarem falar directamente para o homem, eles farão honrada e frontalmente. Não abanarão as suas cabeças fazendo insinuações de velhas mulheres. 

(capítulo 133)

11
Set15

Clube dos Clássicos Vivos - Moby Dick - 11 de 14

Em Agosto li Moby Dick, juntamente com as/os restantes membros do Clube dos Clássicos Vivos, moderado pela Cláudia Oliveira (A mulher que ama livros).

 

Ciência! Lanço-te uma praga, a ti, brinquedo inútil. E que sejam amaldiçoadas todas as coisas que lançam os olhos do homem para o alto, para aquele céu cujo activo fulgor apenas o queima, pois estes velhos olhos estão ainda agora queimados com a tua luz. Oh, Sol! Os olhos do homem foram feitos para ficar ao nível do horizonte terrestre, não do alto da sua cabeça, como se Deus tivesse querido que ele contemplasse o seu firmamento. 

(capítulo 118)

 

God-and-scientist.jpg

 

Imagem