Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Leituras

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

"O regresso à cultura. Sim, autenticamente à cultura. Não se pode consumir muito se se fica tranquilamente sentado a ler livros."

Diário de Leituras

20
Jul18

Curtas literárias 20.07.2018

1. 

Coisas importantes que ainda não tive tempo de ler:

Noam Chomsky Defines The Real Responsibility of Intellectuals: “To Speak the Truth and to Expose Lies” (1967) [Open Culture]

George Orwell Identifies the Main Enemy of the Free Press: It’s the “Intellectual Cowardice” of the Press Itself [Open Culture]

 

2.

Crónicas

O ukase sobre “Os Maias”, J. Rentes de Carvalho [Expresso]

 

3.

Prémios literários 

Obra de escritora Anne Charnock vence prémio literário Arthur C. Clarke [Expresso

"Dreams Before The Start of Time" (...) passa-se em Londres, no ano de 2034, num mundo em que a infertilidade foi erradicada e os novos seres humanos são gerados de forma artificial.

 

4. 

Listas de livros

Best summer books 2018, as picked by writers – part one [The Guardian - Books] 

by Hilary Mantel, Yuval Noah Harari, Chimamanda Ngozi Adichie, Ali Smith, Kamila Shamsie, Julian Barnes and more


5.

Livros no meu radar
1 (245).JPG

Adam Tooze - Crashed

Sobre ciclos económicos e como as recentes crises mudaram o mundo. 

 

1 (268).JPG

Reader, Come Home: The Reading Brain in a Digital World - Maryanne Wolf

Obra de não ficção sobre "o futuro do cérebro de leitura e nossa capacidade de pensamento crítico, empatia e reflexão à medida que nos tornamos cada vez mais dependentes das tecnologias digitais".

18
Jul18

Curtas literárias 18.07.2018

1.

Lidos e a ler

1 (242).JPG

Finalmente consegui comprar um exemplar usado do Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, para oferecer a uma das minhas sobrinhas.

Naturalmente, li-o de imediato. Não tem a magia a que a saga nos habituou, mas ainda assim é uma leitura que não poderia deixar de fazer. Foi delicioso. Agora estou mortinha por entregar o livro à minha sobrinha.

 

Capturar (203).JPG2 (130).JPG

Em casa, estou a ler o Armas, Germes e Aço; na rua o Ficções. É que o primeiro tem 663 páginas e não é muito portátil.

Porém, como livro de rua, o Ficções não é muito bom. Implica uma concentração que eu não consigo ter com o ruído à minha volta. Na rua, claramente necessito de um livro de digestão mais simples.

 

2.

Notícias

Os Maias deixam de ser de leitura obrigatória no secundário [Público]. O único que gostei.

 

3.

Prémios Literários 

 

Lembram-se do prémio que não é Nobel? Afinal também há um que não é Booker. 

Not the Booker prize 2018: nominate your favourite book of the year [The Guardian Books]

 

 

E por falar em prémios, o livro vencedor do Prémio Shirley Jackson é The Hole de Hye-young Pyun, uma autora da Coreia do Sul. 

Prémio Shirley Jackson pretende destacar literatura do suspense psicológico, do horror e da  fantasia sombria. 

1 (243).JPG

The lottery - Shirley Jackson - Adoro!

Hye-young Pyun on the Role of Suspense in Storytelling (para ler sobre a vencedora e a obra)

 

4.

Entrevistas

Anuradha Roy: ‘Inequality in India has never been more catastrophic' [The Guardian Books]

Janne Teller: “E se Portugal estivesse em guerra. Para onde ias tu?” [Público]

Capturar (208).JPG

Janne Teller faz uma experiência provocadora: vira do avesso a atual crise de migrantes e faz de nós os refugiados. Faz-nos ver como se sente alguém que é obrigado a fugir do seu país, a ser exilado e a lutar pela sobrevivência num país estrangeiro. 
Neste conto, a Europa desintegrou-se devido à guerra e o único ponto do globo que está em paz e é acessível é o Médio Oriente. Seguimos a fuga de uma família comum e vemos a sua vida de refugiados através do seu filho de 14 anos.

 

5.

Crónicas

Pseudónimos literários, Jacinto Rêgo de Almeida [Jornal de Letras

 

6.

Compras

Capturar (209).JPG

Foi o que me pediram, porque o que gostei mesmo foi o Rosa Meira, engenheira. Isto, sem querer desdenhar do anterior, que não li. 

Mas aquele título e aquela capa... a sério...

Capturar (210).JPG

O pormenor do lenço é G-E-N-I-A-L.

wecandoit-e1442091339663.jpg

15
Jul18

Livros no meu radar

1 (234).JPG

Uma Mulher Desnecessária - Rabih Alameddine

Porto Editora

Neste assombroso retrato da crise de idade de uma mulher solitária, os leitores seguem a mente errante de Aaliya, à medida que ela vagueia pelas visões do passado e do presente da capital do Líbano: reflexões coloridas sobre literatura, filosofia e arte são invadidas por memórias da guerra civil libanesa e do próprio passado volátil de Aaliya. Ao tentar superar o envelhecimento do corpo e as inoportunas explosões emocionais que o acompanham, Aaliya é confrontada com um desastre impensável que ameaça estilhaçar a quietude da vida que ela escolheu para si mesma.

 BMFE 

 

Capturar (200).JPG

Os Sonâmbulos: Como a Europa Entrou Em Guerra Em 1914 - Christopher Clark

Relógio de Água

«Pesquisado de forma impecável, defendido de forma provocante e escrito de forma elegante… para Clark, os estadistas de 1914 eram “sonâmbulos, vigilantes que não viam — assombrados por sonhos, mas cegos à realidade do horror que se preparavam para trazer ao mundo”.»

BMFE 94(4) "19" CLA

 

1 (235).JPG

Africa, A Modern History - Guy Arnold

By exploring developments over the last fifteen years, including the impact of China, new IT technology and the Arab Spring, the rise of Nigeria as Africa's leading country and the recent refugee crisis, Guy Arnold brings his landmark history of modern Africa up to date and provides a fresh and insightful perspective on this troubled and misunderstood continent. 

 

Capturar (201).JPG

The Boat People - Sharon Bala

Told through the alternating perspectives of Mahindan; his lawyer, Priya, a second-generation Sri Lankan Canadian who reluctantly represents the refugees; and Grace, a third-generation Japanese Canadian adjudicator who must decide Mahindan's fate as evidence mounts against him, The Boat People is a spellbinding and timely novel that provokes a deeply compassionate lens through which to view the current refugee crisis.